Author Archives: Luiz A. Rolim de Moura

About Luiz A. Rolim de Moura

Administrador de Empresas com Mestrado em Engenharia de Produção pela UFSC Brasil e pós graduações em Adm Empresas, Turismo e Gestão de Pessoas. Experiencia em gestão de projetos e atividades de cooperação empresarial, desenvolvimento de metodologias de integração produtiva e institucional, dialogo publico/privado na America Latina e junto a cooperação Européia descentralizada. É docente a nível superior em pós graduação, com experiencia em coordenação de cursos superiores e docência em graduação de Engenharia Ambiental, Turismo, Hotelaria e Administração. Foi gestor de instituições do terceiro setor, sendo ex-presidente de sindicato patronal de hotéis, bares e similares de Foz do Iguaçu, associações empresariais (ABIH PR) e de representação profissional. Atuou como gestor público, com atuações como Presidente do Centro de Convenções de Foz do Iguaçu, Diretor de Marketing do Órgão Oficial de Turismo de Foz do Iguaçu e Secretário de Industria de Comércio de Foz do Iguaçu PR Brasil.

Refugiados ou imigrantes? A discussão sobre os termos para descrever a crise

Published by:

Parece pouco, mas discutir e debater se são refugiados ou imigrantes, abre portas e cenários muito complexos para a UE.

Muito interessante a matéria na Folha de SP:

“Dia após dia percorrem o mundo imagens de pais chegando às costas da Europa, exaustos e encharcados e segurando seus filhos apáticos e exauridos.
O fato de estarem desesperados e vulneráveis depois de uma travessia agoniante do Mediterrâneo em embarcações decrépitas ou superlotadas é inquestionável.”
KARL RITTER
DA ASSOCIATED PRESS, EM ESTOCOLMO (SUÉCIA)

Leia materia completa em: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/08/1674827-refugiados-ou-imigrantes-a-discussao-sobre-os-termos-para-descrever-a-crise.shtml

‘Tratados como animais’, sírios descrevem travessia pela Europa

Published by:

O relógio marcava 19h35 quando o engenheiro elétrico sírio Ali Khalifah, 42, e parte da família chegavam ao terminal ônibus em Belgrado, capital da Sérvia. As centenas de pessoas que momento não estão em férias ou viajando a trabalho, mas sim no arriscada travessia rumo à União Europeia, fugindo dos conflitos no Médio.
A praça ao lado do terminal virou um acampamento improvisado. Poucos contam com barracas de náilon para poder se esconder das tempestades de verão nos Bálcãs.

Vale a pena ler em:
http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/08/1675502-tratados-como-animais-sirios-descrevem-travessia-pela-europa.shtml?cmpid=twfolha

Reino Unido reabre embaixada e restabelece relações diplomáticas com o Irã

Published by:

Reino Unido restabeleceu hoje formalmente as relações diplomáticas com o Irão com a reabertura da embaixada em Teerão, encerrada em 2011 após um ataque promovido por um grupo de estudantes radicais, o que representa o exemplo mais simbólico da reaproximação entre a República Islâmica e a Europa.

Veja artigo completo em 
Diario Digital

domingo, 23 de Agosto de 2015  http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=787148

Embaixador defende novo modelo de negociação de acordos comerciais no Mercosul

Published by:

12/08/2015 – 20h38
Embaixador defende novo modelo de negociação de acordos comerciais no Mercosul
Alguns parlamentares não acreditam que o acordo com a União Europeia seja lucrativo para o país por considerarem que os europeus não possuem interesse em importar produtos agrícolas brasileiros.

Ana Volpe/Agência Senado

Arslanian: hoje, quando um parceiro propõe acordo comercial com outro país, fala-se em redução tarifária, mas, sobretudo, em convergência das normas, em regras.
As dificuldades para construir um acordo entre o Mercosul e a União Europeia dominaram o debate, nesta quarta-feira (12), com o embaixador Regis Percy Arslanian na Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul (Parlasul).

Segundo Arslanian, para que haja um acordo entre os dois blocos, é preciso que o Mercosul redesenhe o seu modelo negociador. O embaixador foi chefe negociador comercial do Brasil nas negociações do Acordo de Livre Comércio das Américas (Alca) e do Acordo de Livre Comércio entre Mercosul e União Europeia.

O embaixador explicou que a liberalização tarifária proposta nas negociações internacionais pelo Mercosul, com o simples acesso a mercado, já é considerada insuficiente para parceiros comerciais relevantes.

Os acordos comerciais modernos, ressaltou, exigem também convergências normativas e regulatórias. “Hoje em dia, quando um parceiro propõe um acordo comercial com outro país, fala-se em redução tarifária, mas fala-se, sobretudo, em convergência normativa, em regras. Nós não podemos pretender ser os únicos no mundo a não aceitar regras nas nossas negociações comerciais”, disse.

Acordo
Regis Arslanian defendeu o acordo entre os dois blocos e afirmou que as negociações comerciais são peças fundamentais para a competitividade dos países no mundo atual. O embaixador também ressaltou que a integração do Brasil com os seus vizinhos é importante e que seria muito negativo o Brasil fazer um acordo sozinho com a União Europeia.

O deputado José Fogaça (PMDB-RS) também defendeu a necessidade de o Brasil se desfazer de seus preconceitos em termos de velhos padrões de negociações internacionais. O parlamentar afirmou que o País está em fase de mudanças na qual é fundamental uma aproximação comercial com países desenvolvidos. “Não significa aceitar todas as exigências externas, mas, sim, nos despojarmos de preconceitos”, disse.

Agricultura
Na opinião de Arslanian, o Mercosul também precisa deixar de ter a agricultura como ponto principal da negociação comercial. Ele avalia que os tempos mudaram e os países europeus não querem fazer rodadas de negociações em que a agricultura é a peça central. “Claro que a agricultura sempre terá que entrar em uma negociação comercial, mas nós não podemos colocar a agricultura como pré-condição de uma negociação comercial. As concessões agrícolas virão como um resultado do pacote final da negociação”, disse.

Já o senador Roberto Requião (PMDB-PR) e o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) não acreditam que o acordo seja lucrativo para o país. Segundo os parlamentares, os europeus querem um acordo apenas de venda, já que não possuem interesse em importar produtos agrícolas brasileiros.

Requião ressaltou ainda que a União Europeia é composta por 28 países, o que resulta na impossibilidade de uma proposta comum para ser apresentada ao Mercosul.

Da Redação – RCA
Com informações da Agência Senado

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência Câmara Notícias’

– via www2.camara.leg.br

Cartes no firma declaración anti-Israel y genera tensión

Published by:

ABC COLOR  – PAARGUAY – 30 DE JULIO DE 2014

| PARAGUAY SE PLANTA ANTE SOCIOS DEL MERCOSUR

Por Osmar Gómez

Paraguay objetó ayer la intención de los demás miembros del Mercosur de emitir una declaración contra Israel por la ofensiva que promueve en la Franja de Gaza.

Cartes se dirije a Maduro, quien lo observa con rostro serio.

Cartes se dirije a Maduro, quien lo observa con rostro serio. / ABC Color

Cartes se plantó ante el pedido, lo que generó tensión en la cumbre del bloque en Caracas.

La firma de una declaración por parte de la XCLVI Cumbre del Mercosur a favor de Palestina y en contra de la ofensiva de Israel en la Franja de Gaza creó tensión al inicio de la reunión entre los Presidentes del bloque.

En el encuentro entre negociadores surgió un pedido de Venezuela de apoyar una declaración en favor de Palestina en el conflicto que sostiene con Israel. El país caribeño pretendió que el bloque emita la declaración de apoyo, pero Paraguay objetó y no firmó el manifiesto. Esto molestó a los demás miembros del Mercosur.

Texto completo em:

http://www.abc.com.py/edicion-impresa/politica/cartes-no-firma-declaracion-anti-israel-y-genera-tension-1271163.html

A próxima recessão global será literalmente “made in China”, diz Morgan Stanley

Published by:

A próxima recessão global será literalmente “made in China”, diz Morgan Stanley
País asiático pode fazer o mundo inteiro entrar em recessão, mesmo com crescimento nos EUA

(SÃO PAULO) – Esqueça todos os sapatos, brinquedos e outros produtos de exportação. A China em breve deve ter outra coisa para oferecer ao mundo: uma recessão.
Essa é a previsão de Ruchir Sharma, diretor de mercados emergentes no Morgan Stanley Investment Management, que diz que a continuação da desaceleração da China nos próximos anos pode arrastar o crescimento econômico global abaixo de 2%, patamar que ele vê como o equivalente a uma recessão mundial. Seria a primeira queda global nos últimos 50 anos sem contração dos EUA.
“A próxima recessão global será feita pela China”, disse Sharma, que gerencia mais de US$25 bilhões. “Nos próximos dois anos, a China provavelmente será a maior fonte de vulnerabilidade para a economia global”.
– via InfoMoney – Informação que vale dinheiro

http://www.infomoney.com.br/bloomberg/mercados/noticia/4158619/proxima-recessao-global-sera-literalmente-made-china-diz-morgan-stanley

Ideas y praxis de la integración regional durante los dos primeros gobiernos de Juan Domingo Perón – Por Nahuel Oddone e Leonardo Granato

Published by:

Ideas y praxis de la integración regional durante los dos primeros gobiernos de Juan Domingo Perón (1946-1955): la visión del líder y la construcción política

Cuadernos sobre Relaciones Internacionales, Regionalismo y Desarrollo / Vol. 9. No. 17.

Ideas y praxis de la integración regional durante los dos primeros gobiernos de Juan Domingo Perón(1946-1955): la visión del líder y laconstrucción política.

América vive con el presentimiento, casi diríaque con la incertidumbre, de que debe hallarseunida y preparada para desarrollar la misiónque algún día podría encomendarle el destino Juan Domingo Perón

Resumen:

El presente artículo aborda el ideario y la práctica de la integraciónregional de los dos primeros gobiernos de Juan Domingo Perón (1946-1955)desde dos variables fundamentales del estudio de la política exterior: la visióndel líder y la construcción política del régimen. Los autores concluyen que sibien ese ideario peronista logró generar su praxis específica, ésta práctica nologró fundirse en un proceso de integración regional en concreto como la Uniónde los Países del Sur o la Unión Latina.

Leonardo Granato
 Doctorando en Economía Política Internacional por la Universidad Federal de Río de Janeiro(Brasil). Abogado por la Universidad de Belgrano (Argentina) y Magíster en Derecho de laIntegración Económica por la Universidad del Salvador (Argentina). Profesor adjunto y co-director de la Revista Sociedad Global de la Universidad Abierta Interamericana (Argentina).Investigador del Departamento de Economía Política y Sistema Mundial del Centro Cultural dela Cooperación (Argentina) y del Centro de Estudios en Geopolítica y Relaciones Internacio-nales (Brasil). E-mail: granato.leonardo@gmail.com
Nahuel Oddone
Doctorando en Estudios Internacionales por la Universidad del País Vasco (España). Licen-ciado en Relaciones Internacionales por la Universidad Nacional del Centro de la Provinciade Buenos Aires, Magíster en Derecho de la Integración Económica por la Universidad delSalvador (Argentina) en convenio con la Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne (Francia) yMagíster en Integración Económica Global y Regional por la Universidad Internacional deAndalucía (España). E-mail: oddone.nahuel@gmail.com
I.S.S.N:1856-349XDepósito Legal: l.f..07620053303358 

Palabras Clave: Integración regional, Juan Domingo Perón, visión del líder,Argentina

Download del articulo completo: articulo4-libre

Ideas and praxis of regional integration during thetwo first governments of Juan Domingo Perón(1946-1955): the leader’s view and the politicalconstruction

ABSTRACT

The present article focus on the ideals and the practice of the regional integrationduring the first two government periods of Juan Domingo Perón (1946-1955),analyzed from two different variables of foreign policy studies: leader view andthe political construction of the regimen. The authors summarized that althoughthe Peronist ideals of regional integration were able to generate a specificpraxis, this praxis failed to merge in a process of regional integration in particular such as the Unión de los Países del Sur or the Unión Latina

Key words: Regional Integration, Juan Domingo Perón, leader vision, Argentina

Download: articulo4-libre

Fonte:Academia.edu https://www.academia.edu/10619814/Ideas_y_praxis_de_la_integraci%C3%B3n_regional_durante_los_dos_primeros_gobiernos_de_Juan_Domingo_Per%C3%B3n_1946-1955_la_visi%C3%B3n_del_l%C3%ADder_y_la_construcci%C3%B3n_pol%C3%ADtica